Blog

Como escolher um sócio ideal

jun , 15
Como escolher um sócio ideal

A escolha de um sócio ideal é uma tarefa muito importante e fundamental para o sucesso de um negócio.

Mas, antes de tudo, tenha em mente que a relação com um sócio não deixa de ser um “casamento”. Por isso, sua escolha deve ser baseada numa série de critérios, que precisam ser considerados antes da formalização da sociedade.

Além disso, é necessário avaliar alguns pontos e fazer, primeiramente, uma autorreflexão:

1 – Você sabe trabalhar em equipe?

2 – Você não vê problemas em dividir um negócio e seus benefícios, desde que seja para o bem dele?

3 – Você e seu empreendimento necessitam de alguma especialidade específica que você não domina? Você precisa de alguém que complemente seu trabalho?

Após esses questionamentos iniciais, você pode avançar para o próximo passo e partir para a escolha do sócio ideal.

Para te ajudar nessa missão, nós, da Formiga Marketing, vamos listar 5 dicas a seguir. Confira:

 

1. COMPLEMENTARIEDADE

O sócio precisa ser complementar. Ou seja, se você não tem o conhecimento necessário em determinada área, ter um sócio que a domine pode ajudar e muito.

Em outras palavras, escolha alguém que seja a sua outra metade. Por exemplo, você pode ser muito bom em relacionamento com o cliente, mas não entender de gestão financeira. Nesse sentido, o ideal é escolher alguém com alto grau de complementariedade, tanto no que diz respeito a habilidades técnicas, quanto a características pessoais.

Só para ilustrar, vou citar o nosso caso. Na Formiga Marketing, existe um nível alto de complementariedade entre as sócias. Assim, no momento em que entregamos nossas 12 soluções de planejamento estratégico para o mercado, cada uma tem uma função. Enquanto a Sonia está à frente da área de planejamento e pesquisa, eu assumo o relacionamento com cliente e novos negócios.

 

2. VALORES

Na condução dos negócios, você e seu sócio precisam compartilhar não só os mesmos objetivos empresariais, mas, também, morais e éticos.

Isso porque uma sociedade envolve muito mais do que planejamento, produção, distribuição e operacionalização. Envolve, também, situações em que os valores éticos e morais falam muito mais alto do que qualquer argumento técnico ou financeiro.

 

3. CONFIANÇA E DIÁLOGO

Na hora de escolher o sócio ideal, procure por alguém em quem você possa confiar. Sociedade é algo sério e não é aconselhável fazê-la com um desconhecido (mesmo que ele apresente boas capacidades). Se você já tem uma relação prévia com o potencial sócio, provavelmente já possui uma referência sobre a pessoa. Na Formiga Marketing, por exemplo, as sócias se conheceram na graduação. Tornaram-se amigas de vida, para, então, chegarem à decisão de firmarem uma sociedade.

Uma relação de confiança nasce de um contato constante e sincero. O diálogo é a chave para qualquer relacionamento e, em uma sociedade, isso não é diferente. Portanto, os sócios precisam conversar o tempo todo, buscando compartilhar dificuldades, dúvidas e expectativas que orientem o futuro do negócio.

 

4. OBJETIVOS ALINHADOS

Os objetivos entre os sócios devem estar alinhados. Eles precisam trabalhar juntos para o crescimento do negócio e, consequentemente, devem ter as mesmas expectativas para ele. Para isso, é importante que conversem bem, comparem suas expectativas e tentem alinhar seus objetivos e desejos. Somente assim será possível conciliar as diferenças para conquistar os objetivos e atingir as metas propostas.

 

5. VISÃO

Quando se trata de empreendedorismo, tudo deve ser pensado a médio e longo prazo. Uma empresa deve planejar para o futuro e avaliar bem as perspectivas e possibilidades de crescimento. A fim de que isso seja possível, seu sócio deve apresentar essa capacidade para trabalhar ao seu lado.

Durante o desenvolvimento do trabalho, assim como em qualquer relação profissional, é comum os sócios entrarem em conflito por conta da divergência de ideias e de interesses. Tais conflitos (positivos) são necessários para o andamento do negócio, até porque ele envolve duas ou mais mentes e cada uma tem a própria forma de pensar.

Ademais, a opinião dos sócios não precisa ser igual em todos os aspectos. Esses conflitos geram insights, estimulam uma discussão saudável e, principalmente, permitem o desenvolvimento da empresa.

O que deve ficar claro é que os interesses do negócio precisam estar acima dos interesses pessoais. Do contrário, os conflitos podem ser negativos e gerar descontentamento. Assim, compromete-se a relação entre os sócios e, por conseguinte, os resultados da empresa são igualmente impactados.

É evidente que escolher o sócio ideal não é uma receita de bolo, muito menos uma tarefa fácil. A título de curiosidade, aqui na Formiga Marketing, desde que nos conhecemos na faculdade e viramos amigas, levamos 8 anos para chegar ao nosso “casamento”.

Em vista disso, com o propósito de tomar essa decisão, analise bem o perfil do seu possível sócio. E, especialmente, lembre-se de que essa pessoa irá te acompanhar por muito tempo, ou até por toda a vida empreendedora.

FALE CONOSCO PARA MAIORES DETALHES!

Post a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.